13 de outubro de 2009

Corra que a Polícia sumiu!!!!!

O diretor das delegacias da capital paulista, Marco Antônio de Paula Santos, afirmou em coletiva na tarde desta terça-feira (13) que o novo sistema de atendimento nos distrito policiais das zonas Norte e Leste que começa a funcionar às 10h, permitirá às pessoa registrarem um boletim de ocorrência de casos mais simples em até uma hora. "Quando o sistema estiver implantando e com a população plenamente ciente dele, nossa expectativa é reduzir o tempo do registro de uma ocorrência simples com o auto-atendimento nas delegacias no prazo de 40 minuto a até uma hora", declarou. A previsão é que até fevereiro já ocorra tal redução no tempo de atendimento, na estimativa dele.
Santos, no entanto, ressalta que para se atingir esta redução significativa no tempo "não será o dia para a noite". "É uma mudança radical, que sofrerá algumas dificuldades. Não se muda uma estrutura dessas tão rapidamente. Vai depender da adaptação do pessoal que faz o atendimento nas delegacias e das pessoas que vão à delegacia fazer o registro. Tem pessoa que gosta de ir ao distrito e ficar falando. O que não é mais possível é a pessoa ficar esperando, esperando, esperando, como acontece atualmente", disse. Dezoito distritos policiais vão funcionar sem delegado das 20h às 8h, e outros sete vão concentrar os casos graves, com delegados. O diretor das delegacias definiu o atendimento atual prestado nas delegacias como “uma coisa arcaica, onerosa e que satura o policial. “Ele passa a atender às pessoas mecanicamente. Agora será possível fazer um rodízio destes policiais que atendem a população”, disse. "Até as ocorrências bem registradas não tinham uma resposta efetiva." Com as mudanças, a principal vantagem, além da redução do custo, será a liberação mais rápida dos policiais militares que apresentam as ocorrências às ruas para a realização do policiamento ostensivo bem como a de policiais civis, para o serviço de investigação e a recuperação de bens. "Com esse aproveitamento mais racional dos recursos, não será necessário abrir mais vagas", ressaltou. A expectativa é de que haja uma economia de R$ 30 milhões com o novo sistema de auto-atendimento. Segundo ele, não há uma lista definida de crimes para que o registro seja feito no auto ou no pronto-atendimento. "Para o pronto-atendimento irão os crimes que demandam uma ação imediata da polícia. Existe uma diferença entre o desaparecimento de uma criança de 4 anos e de um adulto que desaparece com frequência por qualquer motivo. O desaparecimento desta criança não deve ser feito pela internet", ressaltou. Santos garantiu que a elaboração de flagrantes mais demorados, como o de homicídios ou de apreensão de drogas com a prisão de traficantes, não irão atrapalhar o registro no auto-atendimento. "Haverá no mínimo três terminais (de computadores nos distritos). E haverá sempre um ou dois terminais para o pronto-atendimento", disse. Novo sistema
A Secretaria da Segurança Pública chama o sistema de pré-atendimento. O caso será registrado no computador pela própria vítima, com o auxílio de dois policiais. Só as ocorrências consideradas graves serão atendidas por um delegado de outro distrito. Até fevereiro de 2010, todas as delegacias da capital paulista vão funcionar neste modelo. Serão 30 distritos com delegados e 63 sem. De acordo com Santos, a população não será atendida apenas por uma máquina, como alguns críticos do modelo dizem. “Esse atendimento não vai ser feito por computador, todas as delegacias funcionarão. Os policiais vão atendendo e conversando com as pessoas. Esses policiais que vão avaliar se é um fato que pode ser registrado dessa forma ou se ele vai ter contato com o delegado em um dos pronto-atendimentos.” O diretor afirma que o atual sistema não é bom, por isso houve a decisão pela mudança. “Nós estamos trabalhando com um sistema que tem aproximadamente 40 anos, saturado. Vamos encontrar algumas dificuldades [com a mudança], isso é normal. Mas, com certeza, o que temos hoje não é bom. Acreditamos que nos próximos dias as pessoas comecem a perceber as mudanças, a agilidade e a rapidez”, afirmou. Marco Antônio de Paula Santos explica que casos que não necessitam de perícia podem ser registrados pelo computador. “Você tem o seu veículo furtado, registra e esse boletim de ocorrência é aceito pela seguradora. Mas se você tem o rádio desse toca-fitas furtado, algo que necessita perícia, vai ter que fazer pessoalmente.” Insegurança
Quem trabalha à noite tem medo da insegurança. "Se hoje nós estamos num momento crítico, que onde o índice de ocorrência é muito grande com a delegacia aberta 24 horas, imagina com a delegacia fechada às 20h", disse o gerente de padaria José Mariano de Lima. Os policiais também reclamaram da mudança. Eles criticam o fim do contato direto da polícia com a população. Um exemplo de como o diálogo ajuda a resolver os problemas foi o caso de dois adolescentes flagrados na caçamba de um carro. O delegado conversou com os pais dos jovens e deu um sermão nos adolescentes. Representantes da polícia, entretanto, explicam os benefícios da mudança. "A própria vítima preenche os seus dados, telefones, e-mail, todos os dados que ela possui, endereço, dados sobre a ocorrência. Quando ela tecla ‘confirma’ aparece outra tela com os dados dela preenchidos e embaixo um número de protocolo. Isso é passado ao policial que está no plantão”, explicou o delegado Valter Sérgio de Abreu. "O que se está pensando é que os policiais sejam direcionados realmente para investigar os crimes mais graves que sejam comunicados", disse o delegado. “Os casos mais graves, que fogem ao atendimento da delegacia eletrônica, serão encaminhados às delegacias que estão abertas e lá serão resolvidos pela autoridade policial de plantão."
O que você acha ? É o sistema ideal ? a população ficará orfão do aparato policial ? A investigação será mais ágil, será elucidativa ? e o crime , o criminoso e a criminologia como fazem ?
Fonte: site G1.com

video video video

Nenhum comentário: